Warning: Declaration of Bootstrap_Walker_Nav_Menu::start_lvl(&$output, $depth) should be compatible with Walker_Nav_Menu::start_lvl(&$output, $depth = 0, $args = Array) in /home/miradapo/public_html/nataliamenhem/wp-content/themes/stanleywp/functions/function-extras.php on line 61
Arquivo para inclusão - ventilando pensamentosventilando pensamentos

Noisinho no Como Será

O Noisinho da Silva, projeto que admiro demais da conta de inclusão de pessoas com dEficiência pelo design, será um dos projetos premiados pelo Criança Esperança em 2017. Veja matéria do Como Será de 16/07/16 falando mais sobre o Noisinho aqui.

Discussões sobre machismo, racismo e identidade de gênero: o que você tem a ver com isso?

Discussões sobre sexismo, machismo, preconceitos relacionados a identidades de gênero e orientações sexuais foram uma tônica em 2015. Depois que entrei na ThoughtWorks pude entender mais de alguns destes temas por causa de atividades promovidas por grupos internos criados para que grupos oprimidos se sintam cada vez mais representados e seguros no ambiente de trabalho. Eu posso até entender a mentalidade das pessoas que se esquivam do tema alegando que “hoje em dia as coisas estão ficando muito complicadas”, porque sim, o processo de tornar uma sociedade mais inclusiva e diversa, com espaço de voz para todas as pessoas, é sim longo e complexo. Criar terminologias e classificações que simplificam a identificação das pessoas pode fazer com que essas sejam deglutidas de pronto pelo senso comum, mas também faz com que muitas pessoas não se sintam representadas na sociedade.

Nunca experimentou esse gostinho de não se sentir representado na sociedade (por exemplo, se você é um homem branco, cisgênero e heterossexual de classe média ou classe média alta)? Então, a regra número um para saber como lidar com todos os casos em que pessoas diferentes de você te contam que não se sentiram representadas ou respeitadas é nunca achar que esta pessoa está inventando ou exagerando. Lembre-se que o mundo como é hoje foi desenhado de forma excludente e preconceituosa e se você nunca foi oprimido não pode mesmo saber como funciona.

Mas, a consequência ainda mais grave de uma sociedade desenhada para representar poucas pessoas é a violência que as pessoas não representadas sofrem no dia a dia, por pessoas não acostumadas a respeitar pessoas (em geral) – respeitam apenas as pessoas-semelhantes.

É por essa violência, a violência sofrida por milhares de mulheres, pessoas negras, travestis, transgêneros e homossexuais, simplesmente por serem quem são, que é urgente aprendermos o respeito. E o respeito começa por eu entender quem você é e você entender quem eu sou, sem julgamentos, sem aferições, sem atribuições.

Para muita gente, falar desse assunto é incômodo e complicado mesmo. “Antigamente era mais simples”, dizem. Sim, sempre será mais simples o caminho que só atende a minoria, da mesma forma que as escolas públicas, “antigamente” (ou, quando o ensino não era universalizado e as escolas públicas atendiam uma amostra bem limitada da sociedade), eram melhores.

Não consigo imaginar nada mais incômodo, porém, do que acordar e ter que se fingir outra pessoa ou sair na rua todos os dias com medo de ser sexualmente agredida só porque é complicado e incômodo para as pessoas aprenderem a respeitar as outras.

Isso sim é um inaceitável incômodo e todos os discursos que tentam silenciá-lo ou minimizá-lo de alguma forma são, automaticamente, discursos conservadores de uma ordem que serve ao conforto de pouquíssimas pessoas.

ps: para facilitar a explicação para algumas pessoas, busquei algumas imagens explicativas na internet – são do Google Imagens, não sei a fonte exata delas, inserirei assim que souber. Se você souber, fique à vontade para comentar por aqui. Valeu 😉

image

image

image

*A sociedade jamais estará preparada para a diversidade enquanto evitar os encontros de pessoas diferentes (só se existisse um raio progressista-ativador-master-blaster, mas aí esse texto nem teria razão de ser).

Mão mecânica [Envolva-se!]

Conheci ontem a mão mecânica, que acenava para todos à entrada do auditório. Desenvolvida pelo estudante Marley Luciano, a prótese de uma mão controlada por módulos independentes tem o objetivo de ser acessível e de fácil adaptação a todas pessoas com dEficiência que não tenham membros superiores.

A prótese tem funcionamento semelhante aos movimentos feitos por uma mão biológica e é constituída por peças pré-moldadas, duas placas com circuitos eletrônicos, que possuem módulos de comunicação, até de 3 a 6 micro servos motores, e demais componentes básicos. (LUCIANO,Marley Rosa, 08,2015)

De acordo com o cientista, pretende-se tornar o objeto acessível por meio da utilização da tecnologia e materiais de baixo custo, diminuindo o seu valor físico e proporcionalmente elevando a sua fabricação e distribuição. Entre os seus desejos, está o de imprimir essa mão em 3D para provar a sua viabilidade técnico-financeira.

IMG_0590

Ao conhecer o projeto, me lembrei de várias pessoas que já trabalham com internet das coisas e/ou com inclusão que podem se interessar em contribuir para o desenvolvimento do projeto do Marley.

Não hesitem em contatá-lo pelo seu perfil do Facebook e, se quiser fazer parte do grupo para trocar ideias e sugestões sobre a mão mecânica, me escreva que te adicionarei!